O Grupo Segura está com você
Com mais de 20 anos de atuação, o Grupo Segura, bem como asseio e conservação, e terceirização de serviços administrativos.


Blumenau

SEGURANÇA PRIVADA
Rua João Pessoa, 3.152
CEP 89036-004
47 3035 8009

SERVIÇOS
Rua Dr. Antônio Haffner, 389<br/>
CEP 89036-640<br/>
47 3035 4000

365 dias por ano

Atendimento 24 horas por dia

47 3035 8000

contato@gruposegura.com.br

Topo
 
Grupo Segura > Condomínio  > Roubo em condomínios: quais os disfarces mais usados por ladrões?
roubo em condomínios

Roubo em condomínios: quais os disfarces mais usados por ladrões?

Por mais que o ambiente dos condomínios seja seguro, os assaltos podem ser comuns nestes ambientes. Normalmente, as técnicas utilizadas pelos ladrões são os disfarces, tornando mais difícil detectar sinal de perigo

Ao contrário do que pode parecer, o isolamento social não elimina e nem reduz a possibilidade de roubo em condomínios. Na realidade, a ação de criminosos continua, mas com novas formas de agir que precisamos ficar atentos.

Os reflexos da pandemia na segurança são inegáveis e precisam ser considerados. A nova rotina modificou a dinâmica de muitas famílias, fazendo com que bandidos também adotassem novas técnicas para invasão.

O novo normal engloba literalmente todas as atividades da sociedade. Diante de tantas mudanças, é preciso estar atento à segurança em condomínios.

O lockdown retornou ao dia a dia das pessoas e fará parte da nossa realidade pelo menos até a vacinação mínima da população. As pessoas continuarão a passar mais tempo em suas residências, mas isto não anula a ação de criminosos.

Os principais disfarces utilizados para roubo em condomínios

A seguir, listamos as categorias de disfarces que mais se repetem nas intervenções de bandidos.  E como checar de forma segura a identidade dos que entram e transitam dentro de condomínios.

O falso morador

A estratégia de disfarce de falso morador pode envolver diversas características, de acordo com o condomínio.

O bandido estará bem-vestido, até mesmo utilizando terno se o condomínio for de luxo. Sua entrada acontece pelo portão de pedestres ou pela garagem.

Para tentar passar ainda mais despercebido, o falso morador pode estar carregando sacolas, como se estivesse voltando do supermercado. Se for um dia chuvoso, utiliza um guarda-chuva e entra fechando-o para não ser notado.

A técnica de estar bem-vestido costuma funcionar muito, uma vez que o criminoso passa uma imagem de maior credibilidade. Assim fica mais fácil de não despertar a desconfiança de porteiros e zeladores.

Os estudantes fakes

Este tipo de disfarce é um dos mais comuns em assaltos em condomínios. Vestindo um uniforme de escola particular e mochila, os bandidos podem utilizar esta tática em grupo, inclusive. Entram na portaria do prédio fazendo brincadeiras entre si, dando risadas. Quando e se questionados, dizem ao porteiro que estão indo ao apartamento de um amigo.

O porteiro, que dificilmente iria desconfiar de crianças e adolescentes, tende a deixá-los passar sem maiores perguntas.

O método do falso estudante também pode envolver vestimentas comuns, que sejam muito parecidas com as já utilizadas pelos jovens moradores do condomínio.

Para evitar este tipo de situação, o porteiro precisa manter-se extremamente cauteloso. Se a regra é não deixar entrar nenhuma pessoa que não esteja autorizada, não pode haver exceções.

A identidade falsa de policial

Acredite se quiser: muitos bandidos se passam por policiais para assaltar condomínios!

Usando farda, coletes, credenciais e até mesmo carros adesivados, por exemplo, que imitam os da polícia. Os criminosos se aproveitam da tática para impor a autoridade da profissão. Intimidando o porteiro para acessar facilmente o condomínio.

O falso policial irá exigir sua entrada com o pretexto de verificar alguma ocorrência. Pode alegar que recebeu o chamado de um morador ou que foi notada movimentação suspeita na área.

Com toda a tensão da possível situação de risco, o síndico, porteiro ou zelador permitirá sua entrada. A última coisa que passará por sua cabeça é que o bandido, na verdade, é o falso policial.

A forma de prevenir esta situação é estabelecendo regras. O porteiro tem a obrigação de identificar qualquer pessoa que entrar no condomínio. Independente de quem for, seja policial ou oficial de justiça.

O falso bombeiro

Com uma estratégia parecida com a do falso policial, o falso bombeiro aparecerá no prédio alegando que irá fazer uma inspeção. Pode justificar que foi contratado por um morador ou recebeu um chamado de manutenção urgente (como canos furados, vazamento de água ou gás, por exemplo).

Nestes casos, é de suma importância que o síndico ou porteiro tenha alinhado com os moradores para avisá-los de qualquer situação do gênero.

A necessidade de reparos e manutenções nos apartamentos precisa ser notificada para conhecimento do síndico. Além da segurança, esta ação é importante também para que o mesmo possa auxiliar no que estiver ao seu alcance.

O morador falso que está atrasado

O golpe do morador atrasado vai além do simples disfarce para entrada. Nesta dinâmica, dois bandidos atuam em conjunto.

Um deles liga para a portaria se passando por um morador, autorizando a entrada de seu comparsa. Utiliza certa urgência no tom de voz, alegando que o colega está atrasado para o encontro e sua subida deve ser liberada rapidamente.

Neste contexto, se o porteiro não conhecer bem todos os moradores do prédio, poderá ser isca fácil. A recomendação é que, em caso de dúvida, o porteiro tenha um contato secundário do suposto morador, para confirmar a autorização de entrada.

Falso morador que chega de carro na garagem

Esta modalidade de invasão consiste no ladrão acessando o condomínio de carro.

Posicionado na entrada na garagem, cumprimenta o porteiro, buzina ou dá sinal de luz para que a porta da garagem seja aberta.

Podem ainda ter observado a movimentação dos moradores, dias antes, para utilizar um carro com as características dos automóveis dos condôminos.

Pode ser comum que algum morador de verdade esqueça sua chave ou controle do portão. Por isso, é de suma importância que o porteiro só abra para pessoas que mostrem seu rosto e se identifiquem.

Se a guarita ou portaria ficar localizada relativamente longe da entrada da garagem, câmeras de vigilância que foquem o rosto do morador podem ajudar neste controle.

Como a portaria remota pode evitar invasões em condomínios

A tecnologia na segurança tem o poder de otimizar e simplificar procedimentos. A portaria remota proporciona diversas vantagens e pode agregar muito na prevenção de invasões em condomínios.

Com a portaria remota, toda a movimentação de pessoas é supervisionada e gerenciada a distância. Ou seja, através de câmeras de alta resolução, o controle fica por conta da Central de Monitoramento, 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Os acessos são realizados por meio de sistemas de biometria, cartões, tags, controles de acesso, portões remotos ou catracas, por exemplo. A entrada dos moradores é somente permitida a partir da identificação, feita de forma simples e segura.

E não há preocupação com imprevistos! Em casos de queda de energia, por exemplo, o sistema da portaria remota continuará operando. Por meio dos geradores próprios da Segura, seu funcionamento mantém-se constante, assertivo e muito seguro.

Gostaria de saber mais sobre a portaria remota e como implantá-la em seu condomínio? Entre em contato conosco e tire suas dúvidas!

Sem comentários

Desculpe, mas o formulário de comentários está desativado.