O Grupo Segura está com você
Com mais de 20 anos de atuação, o Grupo Segura, bem como asseio e conservação, e terceirização de serviços administrativos.


Blumenau

SEGURANÇA PRIVADA
Rua João Pessoa, 3.152
CEP 89036-004
47 3035 8009

SERVIÇOS
Rua Dr. Antônio Haffner, 389<br/>
CEP 89036-640<br/>
47 3035 4000

365 dias por ano

Atendimento 24 horas por dia

47 3035 8000

contato@gruposegura.com.br

Topo
 
Grupo Segura > Segurança Eletrônica  > Cão de guarda é eficiente ou não na segurança patrimonial?
cão de guarda

Cão de guarda é eficiente ou não na segurança patrimonial?

Os cães de guarda são muito utilizados nas atividades de segurança, mas é preciso observar a importância da presença de um profissional capacitado para treinar e orientar o animal durante as ações de proteção. Utilizar cães domésticos de grande porte para cuidar da casa é uma prática comum, mas não eficiente.

A relação entre o homem e um cão de guarda, vai além da segurança patrimonial. Ela teve início há milhares de ano, na pré-história, quando o homem começou a domesticar lobos selvagens.

Os cães se aproximavam dos humanos, à procura de alimentos, e acabavam se tornando companhia e proteção para caça.

Desde então, o homem ganhou um companheiro fiel, que independente da situação, jamais lhe abandona.

Existem estudos que sugerem até que a sociabilidade canina com os humanos, é um fator genético desenvolvido pela domesticação.

Ou seja, está nos genes dos cãezinhos a motivação pelo contato social e a consequente procura pela proximidade com o homem.

Com habilidades de caça e faro hiper aguçado, o melhor amigo do homem revelou competência para identificar pessoas ou objetos mesmo distantes.

Passaram então a auxiliar de modo muito efetivo no trabalho de policiais e demais profissionais de segurança. Tornando-se membros de equipes de serviço operacional, através de técnicas e devido adestramento.

As atividades do cão de guarda na segurança

Os cães treinados para atividades na segurança podem exercer diversas tarefas que apoiam os processos dos humanos, principalmente em ações policiais. Abaixo listamos as principais delas:

Captura

A captura envolve a localização de indivíduos em atos de busca, através do instinto natural para a caça. Os cães farejam partículas de odor, sinalizando os locais pelos quais o procurado possa ter passado.

Dispersão

Nestes casos, os cães são utilizados para ajudar a dispersar multidões em grandes aglomerações, como ocupações de áreas, manifestações e bloqueio de vias.

Drogas

Assim como estão aptos a farejar pessoas, os cães também são capazes de localizar entorpecentes. O cheiro da substância é oferecido ao animal, para que memorize em seu olfato e realize a busca.

Emprego de força

A força animal pode ser utilizada em situações de resistência apresentada pelo infrator. Nesta situação, o policial tem a função de eleger a forma de utilização do cão, que é entendido como instrumento de menor potencial ofensivo.

É importante observar que todas as formas de ação com cães exige a presença do policial ou profissional responsável pelo treinamento do animal.

Os cães são ferramentas muito eficazes, mas não fazem os trabalhos sozinhos. A eficácia de uma tarefa bem sucedida é resultado da ação tanto do animal quanto do humano.

É a preparação e o acompanhamento na atividade em questão que fazem a diferença.

Cão de guarda na segurança residencial

Utilizar cães como medida de segurança em residências é uma prática comum, mas nem sempre efetiva.

Como citamos acima, cães “funcionais” (os destinados à ação operacional) precisam de treinamento adequado, feito por um profissional especializado e que esteja sempre presente para conduzir o animal.

No caso de uma família que possui um cão doméstico de grande porte como vigilante da casa, normalmente não há a preparação devida.

Pessoas leigas podem até “educar” seu animal e ensiná-lo a obedecer comandos, mas quando falamos de segurança, o preparo vai mais além.

Para se ter uma ideia, cães treinados pela Polícia Militar iniciam ainda filhotes, para que se habituem mais facilmente aos comandos.

Cada tipo de treinamento exige um tempo específico e pode variar de acordo com a afinidade e maturidade do animal.

E após todo o período de treinamento, ainda há a adaptação com o policial que será o seu responsável.

Um processo de capacitação é realizado com os policiais, para aprenderem a maneira correta de se relacionar com os cães. Fatores como afinidade e socialização são avaliados, e ao final somente os militares adaptados aos cães são aprovados.

Por isso, um animal doméstico de um ambiente familiar não terá o preparo completo necessário para ser um cão de guarda.

Claro, muitas vezes a presença do cão pode sim ajudar a espantar bandidos. E até passar a impressão de que a residência está mais protegida.

Porém, esta não é a prática mais recomendada, justamente por não garantir total efetividade.

Riscos de cães domésticos na segurança residencial

Utilizar cães domésticos na segurança residencial pode levar a alguns riscos. Animais com propensão ou educados para maior agressividade podem causar acidentes com os próprios donos.

E o perigo aumenta para as famílias com crianças! No ato de quererem brincar com o animal, podem acabar gravemente feridas.

Outro risco neste contexto é o envenenamento de animais, muito recorrente em situações de arrombamentos.

Os bandidos passam facilmente pelo obstáculo do cão oferecendo algum tipo de alimento atrativo e envenenado. Deixando o animal inconsciente em poucos minutos, possibilitando a sua entrada.

Cães não devem ser alugados

Diante dessas informações, você pode estar se perguntando: se o ideal não é utilizar meu cão doméstico para segurança, eu não poderia contratar o serviço de um animal treinado para esta finalidade?

A resposta é não. Para se ter uma ideia, o Estado de Santa Catarina proíbe, por lei, o aluguel de cães e a prestação de serviços de vigilância de cães de guarda com fins lucrativos.

Segundo a norma, se classifica como infrator tanto o proprietário dos cães como também o dono do imóvel em que os animais estejam realizando a guarda ou vigilância.

Isto porque animais domésticos não devem ser utilizados como armas ou escudos vivos. Estas práticas são configuradas como maus tratos.

Utilize ferramentas mais efetivas para segurança!

Os artifícios tecnológicos da atualidade são ferramentas muito mais eficazes quando falamos em segurança.

Comparado a cães de guarda, um bom sistema de câmeras e alarmes irá garantir muito mais agilidade, praticidade e tranquilidade.

Isto sem falar do excelente custo benefício, uma vez que você reduz gastos com seguro.

Estas soluções são ideais para proteção residencial, uma vez que desestimulam e detectam ações furtivas e assaltos.

O sistema completo conta com monitoramento 24h e controle de acessos, vigiados pela Central de Monitoramento própria do Grupo Segura.

Para se sentir mais seguro e confiante, faça uma avaliação com o Grupo Segura para entender a real necessidade de segurança do seu patrimônio. Fale conosco!

 

Ebook ocorrencias criminosas