O Grupo Segura está com você
Com mais de 20 anos de atuação, o Grupo Segura, bem como asseio e conservação, e terceirização de serviços administrativos.


Blumenau

SEGURANÇA PRIVADA
Rua João Pessoa, 3.152
CEP 89036-004
47 3035 8009

SERVIÇOS
Rua Dr. Antônio Haffner, 389<br/>
CEP 89036-640<br/>
47 3035 4000

365 dias por ano

Atendimento 24 horas por dia

47 3035 8000

contato@gruposegura.com.br

Topo
 
Grupo Segura > Condomínio  > Conheça as 25 falhas de segurança mais comuns em condomínios residenciais
falhas de segurança

Conheça as 25 falhas de segurança mais comuns em condomínios residenciais

Blumenau e região têm números nada animadores em relação a roubos e furtos. Diariamente, falhas de segurança e descuidos contribuem para que esses índices continuem altos. Mas o que pode ser feito para virar esse jogo?

Falhas de segurança são mais comuns do que imaginamos. Aliás, hoje em dia, o simples fato de morar em um apartamento já não é mais visto como 100% seguro. Por mais que as pessoas acreditem que os condomínios são locais onde invasões e furtos acontecem em uma escala menor, na maioria das vezes, as causas de invasão se iniciam por descuido dos próprios moradores, ou por questões – não tão bem discutidas – de segurança.

O convívio em comunidade onde existem várias pessoas, com personalidades e atitudes diferentes, certamente pode se tornar um prato cheio para bandidos que buscam por facilidades de acesso a condomínios.

É justamente por existirem estas diferenças de personalidade, que os edifícios residenciais têm se tornado alvos de invasões, seguidas de furtos e roubos, nas cidades brasileiras.

Já são frequentes as notícias de assaltos a condomínios residenciais no estado de Santa Catarina e em todo o Brasil. Em Blumenau, entre 23 de dezembro de 2019 e 3 de janeiro de 2020, foram registrados 20 furtos na cidade. Esse é o período em que as pessoas estão viajando, aproveitando as férias. Isso é assustador, pois representa mais de um arrombamento por dia.

Na badalada Balneário Camboriú, os números de invasões têm assustado moradores. Um único condomínio, o residencial Marcus Vinicius, foi invadido três vezes em uma semana!

Já antevendo possíveis cenários de aumento da criminalidade no pós-pandemia, o Governo Federal lançou um pacote de segurança para ajudar estados e municípios. Agora pense o seguinte: se o governo está atento a isso, nós também não deveríamos estar?

Por este motivo, selecionamos 25 falhas de segurança comuns em prédios residenciais, sinalizadas por especialistas em segurança de condomínios. Ou seja, elas estão diretamente ligadas a atitudes do cotidiano de quem mora ou visita estes edifícios.

Aqui na matéria apontaremos as 5 principais falhas deste relatório. Recomendamos baixar o documento completo. Para fazer o download, basta clicar neste link.

Falha 1: Reduzir o investimento em segurança para baixar o custo do condomínio

O valor do condomínio sempre foi um dos assuntos mais discutidos nas reuniões entre síndicos e moradores. Sempre presente na pauta, o item “segurança” é o ponto onde o investimento acaba sendo o mais elevado e, por conta disso, tenta-se espremer ao máximo os custos.

Mas é aí que pode estar o perigo. Mexer nestes investimentos sem ter consciência do que se está fazendo pode trazer sérias consequências no futuro.

Existem condomínios onde as falhas ocorrem por não ter uma segurança planejada e condizente com as necessidades reais dos moradores. De nada adiantará instalar câmeras e alarmes em vários locais do prédio se os pontos visados pelos invasores não forem cobertos por completo.

É neste momento que um projeto de segurança bem planejado irá surtir efeitos convincentes, que podem resultar na redução significativa dos custos.

Outro ponto a ser considerado, se refere a idoneidade da empresa que fornece os sensores e câmeras. No caso em que a empresa só comercializa os equipamentos, poderá existir uma tentativa de “forçar” a venda das linhas de equipamentos mais caros. Porém, não necessariamente dos mais recomendados para cada situação. Fique atento!

Falha 2: Pessoas que não seguem os protocolos de segurança

A imprudência dos moradores e funcionários faz parte de vários dos problemas apontados neste levantamento.

Existem moradores que se sentem incomodados só pelo fato de terem que identificar as pessoas que visitam seu apartamento. Mas saiba que esta prática é importante para que se tenha controle sobre todas as pessoas que entram e saem do prédio.

Lembre-se de que um visitante ou prestador de serviços terá acesso a todas as áreas do prédio no momento em que ele tiver a entrada liberada.

A conscientização dos moradores e a mudança de alguns hábitos podem ser feitos através de comunicados nos elevadores. Ou seja, informando sobre tentativas de invasão que possam ter ocorrido no condomínio, por negligência de algum morador.

Falha 3: Imóveis destrancados e carros abertos

Você deve achar estranho estarmos apontando as portas destrancadas como uma falha de segurança nos condomínios, certo? Mas saiba que esta prática é bastante comum. Por exemplo, janelas abertas, portas destrancadas ou encostadas, são vistas com frequência nos corredores de condomínios.

Muitas vezes, é possível observar a porta de entrada do apartamento aberta para fazer faxina. Outro costume frequente é permanecer com as portas de acesso ao hall de entrada abertas enquanto é feita a limpeza do ambiente.

Pode parecer inofensivo, mas esta prática – quando feita de forma recorrente – será vista por todos que entram e saem do condomínio. Por exemplo, com prestadores de serviço, entregadores, etc.

Outra questão abordada, são os objetos que ficam visíveis no interior do veículo. Mesmo quando você está acessando a garagem do prédio. Eles podem ser facilmente identificados por quem circula nas calçadas, em frente ao condomínio. Isso possibilita a ação de bandidos. Pode resultar em um assalto ou ações mais graves como um sequestro relâmpago, por exemplo.

Se deixar objetos à mostra dentro do carro já é um problema, o que dizer dos veículos que permanecem destrancados ou com seus vidros abertos? O fato de estarem na garagem do prédio, impede que sejam vistos. Estes serão alvos fáceis de quem circula pela garagem, por exemplo, observadores e meliantes.

Falha 4: Muros e vizinhança que facilitam a invasão

Outra falha de segurança bastante comum nos condomínios é a não preocupação com o entorno do prédio. Fazer uma análise dos pontos da vizinhança que podem facilitar o acesso de invasores é primordial para evitar prejuízos desagradáveis.

Esteja certo de que os criminosos estão atentos às falhas, principalmente àquelas que você não está se preocupando. Muitas vezes elas passam despercebidas, justamente por serem as mais óbvias e simples.

Trate de fazer um check-up geral no perímetro do prédio. Por exemplo, tente escalar os muros e verifique os pontos com baixa iluminação. Estes pontos, geralmente, são os mais procurados pelos bandidos.

Falha 5: Falta de estrutura de segurança na região

Por mais que as autoridades de segurança se preocupam em manter a ordem em todas as regiões da cidade, existem aquelas que ficam menos protegidas. Ou seja, se tornando alvo de observação e ação dos ladrões.

Sempre haverá os cidadãos do bem que tomam atitudes com a intenção de ajudar na proteção de todos. Cabe também aos moradores, participarem da segurança das ruas e dos bairros. Não estamos falando em agirem sozinhos, mas sim, ficar de olho em pessoas e movimentos suspeitos.

Se observar algo fora do comum, fique alerta, avise seus vizinhos e, principalmente, comunique as autoridades imediatamente. O fato de a região não ser muito protegida, não quer dizer que os policiais não atuam. Geralmente estes chamados são atendidos de forma prioritária.

E pra finalizar…

Como dica bônus, comece verificando algumas falhas que ocorrem dentro do seu condomínio. Faça uma lista delas e discuta com o síndico e com moradores. Sempre que pensarmos de forma coletiva, a solução pode vir com mais facilidade.

Uma prática interessante e que tem apresentado bons resultados nos condomínios é a criação de uma comissão de segurança entre os moradores. Esta comissão pode se reunir de tempos e tempos para discutir formas de melhorar a segurança de todos.

Outro ponto legal é contar com a parceria de empresas de segurança como o Grupo Segura, que tem mais de 25 anos no mercado e conta com um time de profissionais constantemente treinados. Um diferencial da empresa é possuir bases móveis (veículos) em toda a região. Ou seja, isso agiliza o atendimento de possíveis ocorrências.

Afinal, por mais que tenhamos a sensação de que morar em um condomínio nos torna mais seguros, todo cuidado é pouco. São as pequenas atitudes que podem nos trazer mais conforto, ou nos inserir em um pesadelo.

Pense nisso!

25 falhas comuns para comprovar que você não está seguro

Sem comentários

Desculpe, mas o formulário de comentários está desativado.